Ciência, Academia e Escotismo

Clã Chama Farroupilha em momento de estudos.

 

No dia 31 de março o chefe Altamiro Vilhena, conselheiro do Conselho de Administração Nacional (CAN), publicou em seu blog a seguinte notícia:

Os Escoteiros do Brasil estão iniciando a política de valorização dos trabalhos científicos (acadêmicos) relacionados ao Movimento Escoteiro. Esperamos trazer muita coisa interessante para esta área, que já foi tema de debate na última reunião do CAN.

Apresentei uma proposta sobre a valorização das pesquisas científicas com temática escoteira através de uma premiação com abrangência nacional, que foi aprovada por unanimidade. Agora vamos ter que regulamentar e fazer acontecer.

Até lá a UEB já está disponibilizando no site nacional alguns trabalhos elaborados por interessados no Escotismo como ferramenta educacional de valor.

Esta é uma novidade de fundamental importância para o crescimento e desenvolvimento do movimento no Brasil. Quando foi escrito sobre o “Estudo e a Insígnia da Madeira” neste blog, em fevereiro, se procurou argumentos com este mesmo enfoque, pois se acredita que tais tópicos são faces de uma mesma moeda.

Somente estudando mais se poderá escrever mais e produzir melhor conhecimento e então ter uma base acadêmica, científica, para a aplicação no cotidiano dos grupos. Neste momento, estão disponíveis no site dos Escoteiros do Brasil dois estudos interessantes, o primeiro é “A contribuição do movimento escoteiro na educação do Brasil”, elaborado por Camila Moreno de Lima Silva, na Universidade de São Paulo. O objetivo foi demonstrar como um movimento de ensino não-formal se incorporou na educação formal no Brasil, e aspectos da educação ambiental presentes no projeto político pedagógico. O trabalho foi apresentado para o curso de Licenciatura em Ciências da Natureza, e é uma pesquisa qualitativa de fôlego.

O outro estudo se chama “Movimento escoteiro: A vida de Baden-Powell e o nascimento do escotismo”, elaborado por José Ricardo Cabidelli Oliveira, na Universidade Federal do Espírito Santo. É uma monografia, apresentada no curso de Licenciatura em História que traça uma contextualização bastante interessante do ambiente onde o escotismo surgiu.

A iniciativa do CAN, em especial do Conselheiro Altamiro, em destacar através de um prêmio os trabalhos acadêmicos que envolvam o escotismo merece aplausos, reconhecimento e também o trabalho e empenho de todos para ajudar a concretizar este projeto. O currículo Lattes é uma ferramenta que pode auxiliar na formação de uma equipe multidisciplinar envolvida com este projeto, com chefes relacionados com a vida acadêmica, produção científica e pós-graduação.

Parabéns ao Altamiro e demais conselheiros do CAN, com certeza este avanço produzirá muitos conhecimentos para o Escotismo, ajudando a projetá-lo e torná-lo mais entendido e compreendido fora de seus próprios muros. Estudar é preciso.

 

About mrvolkweis

Escoteiro no Grupo Escoteiro Chama Farroupilha 183 RS.

Posted on 17 de Abril de 2012, in Filosofia do movimento and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: