Arquivos de sites

Distintivo do Jamboree Farroupilha. Variações ou defeitos?

Tudo começou quando há poucos dias o chefe Freddy Pinto colocou umas fotos de distintivos para trocar e a seguinte conversa aconteceu:

conversa toda

Só colecionadores Cobrões e especialistas em variações debatendo o assunto.

Revisamos alguns exemplares. E um agradecimento especial a Priscila Abreu, que gentilmente atende aos pedidos especiais na Loja Escoteira do Rio Grande do Sul.

todos

E, então, respondendo aos amigos, a máquina de tear erra, ás vezes.

Aqui vai aquele que consideramos o gabarito:

original

Nesse primeiro exemplo, a ponta da lança amarela foi “esquecida” e um ponto vermelho aparece no meio da haste da lança amarela:

ponta de lança

Nesse outro, a palavra Jamboree foi quem sofreu na máquina:

letras

Em outra situação, somente o ponto vermelho na lança amarela, idêntico ao da foto postada pelo chefe Freddy, que suscitou a conversa:

ponto vermelho

Porém, mais sutilmente, o ponto amarelo pode aparecer na lança vermelha:

ponto amarelo

E os dois pontos também podem aparecer no mesmo distintivo:

ponto amareloe vermelho

Talvez esse seja um dos distintivos antigos mais abundantes nesse momento, pois estão terminando para aquisição. Esses pequenos defeitos e outros que ainda desconhecemos poderão iniciar uma nova procura e interesse por esses exemplares.

Anúncios

Kit Felten

As vezes somos surpreendidos com a visita de antigos escoteiros na sede do Chama Farroupilha 183RS, que o ano que vem completará 30 anos de fundação. Muitos vem somente matar saudades, passear pela sede e procurar lembranças do período que foram escoteiros.

Mas muitos que agora estão afastados do escotismo, trazem de volta o material e memorabilia que acumularam no tempo em que foram membros juvenis. Distintivos, uniformes, boinas, chapéus, livros, cintos, material de grandes eventos, etc.

Foram muitas as vezes que perdemos a oportunidade de registrar estes momentos e agradecer pela preservação da memória escoteira. Aconteceu com Geleovir Freitas, Daniel Campos de Souza, João Medeiros, Moisés Rybar e alguns outros que assim o fizeram. Isto nos permitiu montar um pequeno museu na sala da Corte de Honra de nosso grupo. Por ser um ambiente de circulação restrita, há a desvantagem de somente monitores e sub terem contato com o material, por outro lado, proporciona uma sala realmente diferenciada, bem decorada e a preservação do material. Só lenços expostos já são mais de 70, todos resultado de doações.

Neste fim-de-semana que passou, foi a a vez de Vinícius Mendes Felten levar seu material e agora não perdemos a oportunidade de registrar o momento, para além de divulgar, agradecer ao Vini, que foi Escoteiro Lís-de-Ouro no Chama Farroupilha, participou do Jamboree Panamericano de Foz do Iguaçu e está a poucos meses de se formar em Odontologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sua família sempre participou muito do escotismo, seu pai foi Diretor-Presidente do Grupo e seu tio-avô, Silvio Machado Felten, além de ter sido presidente, também foi fundador do grupo, lá em 1986.

DSC_1369

Vinícius Mendes Felten junto com Leonardo Schmidt Costa, também ex-escoteiro do grupo, com o material levado.

DSC_1371

Obrigado ao Vinícius, que dentro das preciosidades trazidas, está um lenço do grupo dos primeiros lotes, quando o logotipo era pintado a mão pela sra. Lacy Carvalho.

Permanece o convite aos antigos escoteiros para que continuem visitando o Chama Farroupilha, são sempre bem-vindos.

Kit Leblon

O material será exposto na página Relicário, mas sua preciosidade e o fato de todas as peças estarem juntas, formarem um conjunto, faz com que mereça uma postagem individual, anunciando sua chegada, destacando estes itens de coleção, parte da memorabilia escoteira brasileira.

O material desta verdadeira “cápsula do tempo” repousa em uma pequena e delicada caixa de madeira dos “Productos Leblon”, produzidos em “Curityba”, Paraná. Esta caixa foi produzida pela tradicional Typografia Max Roesner e Filhos, que também era fábrica de caixas de papelão e se localizava no centro da cidade. Incluída a própria caixa, são 33 peças (), se considerar os 3 lobos como peça única (distintivos de promessa de lobinho), embora os 3 possam ser cortados e separados individualmente. Referindo-se aos distintivos, apenas 3 peças tem marcas de utilização. Há, também, 3 peças misteriosas que não puderam ser identificadas de pronto, inclusive duas parecendo não ser material escoteiro.

O lote pode ser visto em sua totalidade na imagem abaixo, e inclui até um Anel de Gilwell, assim como uma bússula, estrela de atividade de 3 anos de chefe, daquelas com ilhós para ser costurada no uniforme, outra estrela menor com dois pinos para fixação e um pequeno distintivo de lapela.

DSC_1301

Conjunto dos itens

DSC_1299

Tampa da cápsula do tempo

Merecem destaque os “irmãos gêmeos”, uma dupla de distintivos que exigiu alguma pesquisa para a sua definição, pois são Distintivos de Chefe com o Curso Básico Nacional, uma preciosidade que desconhecíamos:

 rte composto

A dupla de Gêmeos

A dupla de Gêmeos

Do mesmo período, há “os Quintuplos”, cinco distintivos de Primeira Classe do período de 1950, produzido ela empresa Helvetia, que existe há mais de 80 anos.

DSC_1275

Quintuplos

Desta mesma época é o distintivo e a plaqueta do II Ajuri Nacional, realizado na Ilha do Governador, em Tubiacanga, de 14 a 24 de fevereiro de 1957.

“ O ajuri nacional, do Rio de Janeiro, é o marco triunfal do ano escoteiro.”

DSC_1279

Detalhe da plaqueta:

DSC_1281

 

Os listéis estaduais em branco, assim como o listel de grupo, este feito de cadarço serigrafado, também eram empregados na década de 1950.

DSC_1276

Entre 2 e 8 de Janeiro de 1964 aconteceu o I Acampamento Nacional de Sêniores, em Cachoeira do Sul (RS) e este é o respectivo distintivo.

DSC_1286

I Acampamento Nacional de Sêniores, em Cachoeira do Sul (RS),  de 2 a 8 de janeiro de 1964.

Os 5 irmãos, Distintivos de grupo e região, em plástico, utilizados no período de 1960, de diferentes unidades escoteiras locais. O Relatório da Comissão Executiva da Região do Rio Grande do Sul, de março de 1958 identifica os seguintes grupos e numerais:

18 – Tupanciguara, de Santa Maria;

20 – do Ar Tupanciretã, da mesma cidade;

33 – Tupinambá, de Erechim;

43 – Coroados, de São Leopoldo;

85 – Não consta nesse relatório.

Portanto, poderá haver alguma discrepância entre os números e os grupos já que não sabemos o ano de fabricação de cada um deles e poderá haver variações.

DSC_1289

Em 1967, o Rio de Janeiro sedia o primeiro Jamboree Panamericano, do qual estão presentes o chaveiro e uma cédula de Tamoio, o dinheiro do evento.

DSC_1304

Atividade de crescimento, o Expansão 70, onde os grupos escoteiros eram estimulados a promover diferentes ações de captação e visibilidade do escotismo, está presente com o distintivo de Promotor.

DSC_1273

Há dois topes de boina, o esmaltado com padrão anos 50-60, pois já consta esta descrição no Regulamento Técnico já citado e o outro que certamente é anterior.

DSC_1284

Os “irmãos siameses” nasceram unidos e assim permaneceram por toda a sua vida:

DSC_1274

O distintivo de lapela, além de muito pequeno e delicado está bastante desgastado.

DSC_1305

Única peça estrangeira, o distintivo da associação japonesa aparenta também ser de algumas décadas atrás e insiste em permanecer enrolado.

DSC_1293

Duas estrelas diferentes, uma de três anos de chefe e outra que parece ser de progressão do ramo Lobinho.

DSC_1295

Sobram, ainda, as 2 peças misteriosas que não parecem escoteiras:

DSC_1290

Ainda sob pesquisa…

DSC_1301

Semelhante a um pin, com as iniciais JPG