Arquivos de sites

Rio de Janeiro, 1919 – Primórdios do Escotismo

Outro conjunto de fotografias antigas de escoteiros do Rio de Janeiro foi incluído em nossa coleção. O primeiro set de imagens de escoteiros do Rio está em https://chamaescoteira.wordpress.com/2017/03/20/75-rj-do-ar-baden-powell-la-em-1939/

Desta vez, são apenas 4 fotos, pequenas, com 5,5 x 8 cm cada uma e algumas com anotações no verso, que são pistas para a história.

A pesquisa está em aberto, não temos conclusões sobre estas imagens, qualquer contribuição ou ajuda na identificação destes escoteiros e de sua história é bem-vinda e será adicionada neste post com o devido crédito pela informação.

Aparentemente, um retratista foi chamado para registrar alguns momentos de um jovem escoteiro chamado José Luiz Goyano, com seus chefes e tropa, conforme veremos a seguir.

Pesquisando o nome, encontramos o Almirante José Luiz de Araújo Goyano, que teve seus direitos políticos cassados durante o regime militar nos anos 1960 e que poderia ter idade para ser a mesma pessoa, contudo não conseguimos confirmar a hipótese.

A primeira delas mostra um escoteiro devidamente uniformizado, posando para a foto, garbosamente perfilado. Apesar do uniforme escoteiro com chapéu, cinto, lenço, bastão e perneiras, não há distintivos nem anel de lenço. Parece estar em frente a um muro, que serve de fundo também para outras fotos. Nesta foto não há nada registrado no verso.

Outra das fotos mostra o jovem junto com um adulto, certamente um chefe escoteiro, de gravata, com uniforme um pouco diferente. No verso desta foto aparece escrito discretamente a lápis o nome “José Luiz Escoteiro”. No pé da folha aparecem parte de inscrições que parecem terem sido cortadas, como que para a foto caber em algo.

Escoteiro e chefe, observar as diferenças no uniforme do jovem e do adulto

 

José Luiz escoteiro, identificação escrita no verso da foto anterior. Deveria ser, possivelmente, o nome do jovem.

Escoteiro de perfil, com o chapéu pendurado às costas

Verso da foto do escoteiro de perfil

No verso desta foto com o jovem de perfil, está escrito com nanquim: “José Luiz Goyano, A? dos escoteiros, de Botafogo, 1919”, que aparece cortado. Supomos tratar-se novamente do nome do jovem, do local e do ano da foto.

 

A tropa reunida

A última foto mostra uma tropa reunida, com 26 pessoas na imagem, onde dois parecem ser os chefes. Em primeiro plano há dois jovens segurando bandeirolas que se cruzam, sob as quais está sentado um destes que aparenta ser chefe. Alguns dos jovens parecem ter um distintivo na manga esquerda do uniforme e muitos portam bastões.

Verso da foto da tropa reunida

No verso desta foto há inscrições com nanquim que trazem novamente o nome de José Luiz Goyano e um endereço: Rua Conde do Irajá, 134, Botafogo.

Anúncios

Pôsteres no Distrito Federal

O campo-escola dos Escoteiros no Distrito Federal tem pendurado em suas paredes uma boa parte da história do escotismo nacional, na forma de pôsteres ou painéis. Uma bela memória que merece ser conhecida.

DSC05996

A temática da vestimenta escoteira, recorrente no escotismo mundial, divulgada em 1991:

DSC05985

Parede de azulejos referente ao Jamboree Nacional do Distrito Federal:

DSC05982

III Seminário Nacional de Desenvolvimento Comunitário, em São Paulo, 1981:

DSC06006

Conselho Nacional em Salvador, 1975:

DSC06002

Reunião do Conselho Nacional, 1982, Paraíba:

DSC06000

Cartaz do Conselho Nacional em Balneário Camboriú, 1984, destacando 70 anos do Escotismo Catarinense na parte inferior:

DSC05979

Patrocinado pelo Guaraná Brahma, cartaz da Reunião do Conselho Nacional de 1989, em Goiânia, no Hotel Umuarama:

DSC05977

Aventura Sênior Regional do Rio Grande do Sul, em Nova Petrópolis (serra gaúcha), em 1991. Reparar o carimbo de propaganda do Jamboree Colombo:

DSC05989

B-P, Um álbum de família

Baden-Powell, A family album, Heather Baden-Powell, Sutton Publishing, 193 p., 2007. Primeira edição publicada em 1986.

Escrito pela filha do meio de B-P e Olave, este livro trás um relato muito interessante do cotidiano da família, destacando muitos aspectos da vida familiar, de forma detalhada e muito romântica.

Facilmente adquirível pelo e-bay, com um custo inferior a R$ 40,00, incluindo as despesas postais. Destacam-se alguns pontos muito interessantes, sendo amplamente ilustrado, embora sem a mesma qualidade das fotos presentes na biografia “Baden-Powell”, de Tim Jeal.

A despeito de toda a polêmica brasileira e para aqueles que invocam a “tradição do escotismo”, Heather Baden-Powell escreve na pg 108, 3°. parágrafo, quando descreve uniformes escoteiros de outro país, observados em 1935 (porém este livro foi escrito em 1986, o que reforça a longevidade da opinião), por ela, Baden-Powell, Olave e sua irmã Betty: “Uniforms – no matter where in the world – most constantly change with the times.” Ou seja, “Uniformes – não importa onde no mundo – devem constantemente mudar com os tempos” (tradução livre). Pode haver tradição maior que a reflexão e a opinião de Baden-Powell e sua filha durante uma longa viagem por diversos países, toda direcionada ao escotismo?

O texto segue descrevendo de forma cronológica, ano a ano, a vida cotidiana. Refere a mudança por duas casas alugadas, Ewhurst Place e Little Mynthurst até a aquisição de Pax Hill, onde B-P morou de 1918 até 1938.

ombros

B-P com Heather nos ombros

A montagem de um grande grupo de funcionários liderados por Mrs Wade e como Olave administrava todos com orientações sempre datilografadas. Assim como B-P ditava o livro Lições da Escola da Vida para ela datilografar, durante uma viagem de navio para a Austrália, em 1931.

O hábito de dormir na sacada do quarto de Olave, inverno e verão, pois dizia que dormir dentro de casa o deixaria gripado. Executava sua rotina matinal de exercícios muito cedo, descia para o escritório para escrever ou estudar, onde havia uma maçã esperando por ele. Após aproximadamente duas horas de trabalho, subia novamente para o chá com Olave, antes do café da manhã, que seria perto das 8 horas.

O burro indirigível e indiferente ao freio e as rédeas, chamava-se Nellie, engordou tanto que virou Barrel, e derrubou Heather, resultando em fratura do cotovelo esquerdo.

As histórias dos cavalos, particularmente Black Prince (também apelidado B-P), montado por Baden-Powell pela última vez em 1911, junto com Rei George V, para visitarem o Rally Escoteiro em Windsor. Foi, então, oferecido a Lucy Kemp-Welch, artista de cavalos para servir de modelo e dez anos depois retornou, agora para Pax Hill, para ensinar as crianças a cavalgar. Formou-se um trio, que além de Barrel, incluia Toppy, outro cavalo. A afirmação frequente de B-P que para ser um bom cavaleiro é preciso cair pelo menos 80 vezes também é citada.

Descreve outras frases e particularidades do B-P:

“Nada é impossível, exceto por a pasta de dente de volta no tubo.”

“Nada é seu até que você tenha agradecido.”

Janelas da Pax Hill alteradas até o chão nos quartos, para apreciar a rua deitado nas camas.

O cuidado de guardar os selos da vasta correspondência recebida.

O costume de dar nome aos objetos, fossem carros, barracas, utensílios, etc.

O raro uso do telefone, e o número de Pax era “Bentley 8”.

A participação como membro hereditário da Worshipful Company of Mercers, fundada em 1394.

cavalhada

irmaos a cavalo

Os três irmãos a cavalo.

carro

camping

dance

Aulas de dança em Pax Hill

papa

B-P e Olave recebiam na propriedade para finais de semana, escoteiros de diferentes lugares, em grupos. Reunia, após 21 anos do acampamento de Brownsea, os participantes originais, que ainda se agrupavam nas suas patrulhas de origem, embora a Primeira Guerra Mundial houvesse provocado algumas baixas permanentes.

As narrativas das viagens em família por diversos destinos, como a África do Sul, Índia e pelo interior da Inglaterra com dois dos três carros da família, um deles puxando o trailer, apresentados todos juntos em uma das fotos acima.

A viagem para Kandersteg e o chalé que abrigava os trabalhadores do túnel Loetchberg e que estava abandonado desde a conclusão da obra. A fita inaugural foi oficialmente cortada por Misses Olave, e o prédio passou a ser chamado por todos de “Our Chalet”.

Como Olave organizou para 700 jovens uma viagem de navio por 3500 milhas por vários países europeus, hospedando-se em Ho-Ho, e a outra subsequente.

A grave internação cirúrgica que B-P sofreu no início de 1934, onde por mais de uma vez esteve em risco de vida e a sua gradual recuperação. Já no 4°. World Scout Jamboree, na Hungria, ele vinha apresentando sinais de cansaço e dificuldades que foram muito comentados pela imprensa, embora posteriormente tenha se recuperado amplamente.

A malária contraída na África em 1935 por B-P e Olave, durante uma longa viagem pelo continente quando estiveram em Nyeri (The Outspan Hotel) e iniciaram os planos de morar lá. E quando em 1937, ao completar 25 anos de casados, receberam de presente de Eric Walkers, o bangolô construído atrás do hotel para morarem (Paxtu). Foram inicialmente para uma temporada, voltaram a Inglaterra e novamente foram ao Quênia em outubro de 1938, planejando voltar na primavera de 1940.

O retorno a Mafeking com a família em 1936.

A importância da família real britânica para o desenvolvimento do escotismo.

A participação em seu último Jamboree em 1937, Holanda, o 5°. Jamboree Mundial.

O inicio da Segunda Guerra Mundial, quando Heather trabalhou como motorista voluntária e o passamento de B-P no Quênia.

suiça

peter robert robert II

Da esquerda para a direita, o Segundo Barão de Gilwell, o Terceiro Barão de Gilwell e o Primeiro Barão de Gilwell.

IMG_9197

Robert Baden-Powell (o neto), 3°. Barão de Gilwell, no 22 World Scout Jamboree, Inglaterra, 2007. O bebê da foto acima.

Sem dúvida, uma excelente leitura sobre a intimidade desta família que influencia um número cada vez maior de pessoas, revelando muitos detalhes do início e crescimento do escotismo.

Uniforme escoteiro, Traje ou Vestimenta

          Foi divulgado que no próximo Jamboree Nacional, em julho, teremos a apresentação de uma nova vestimenta escoteira, que vem sendo elaborada sob a coordenação do Conselho de Administração Nacional (CAN) dos Escoteiros do Brasil (http://www.escoteiros.org.br/arquivos/can/atas//reu_68.pdf).

          Quantas diferentes você já usou? Pessoalmente, já usei seis diferentes, sempre na modalidade básica, mas o número é maior.

            Portanto, trocar a indumentária no escotismo brasileiro é frequente e não é motivo para angústia ou ansiedade. Nunca houve um estudo com metodologia válida que demonstrasse o impacto disso no efetivo, mas sabemos empiricamente que no máximo em quatro anos a tropa perde a memória, porque toda ela se renova e que os jovens, incluindo os adultos jovens, normalmente gostam de mudanças. Aos que contam mais estrelas de atividades, isto não é nenhuma novidade.

            Há, ainda, a questão da cobertura, que já mudou muitas vezes, independente do resto do uniforme, e onde as possibilidades já contemplaram o chapéu, a boina, diferentes modelos de bonés e não usar cobertura alguma.

Jornal Sempre Alerta

 

Capa do Jornal Sempre Alerta de abril de 1992, lançando novo o Traje Escoteiro.

Página interna do jornal que foi dedicado exclusivamente ao fato, explicando a sequência de eventos até o lançamento.

            Pelo apurado extraoficialmente até o momento, muitas tradições que haviam sido eliminadas em abril de 1992 com a introdução do traje escoteiro serão resgatadas. Voltaremos a ter roupas diferentes para adultos e calças padronizadas, entre outras coisas recuperadas.

          Naquele momento, o traje foi uma evolução do uniforme social, ao qual o uso era franqueado também para os sêniores, embora pouco usado por estes, mas era o uniforme padrão para os chefes que podiam usar também o cáqui. Pelo que descreve a ata do CAN, continuaremos com mais de uma opção de roupas escoteiras, não esclarecendo neste momento ainda como será a escolha por qual delas usar.

Edição da década de 1970 do P.O.R., no início do capítulo que discorria sobre o uniforme dos adultos.

            Elaboramos uma pequena amostra de diversas modificações ocorridas ao longo dos anos, no estilo álbum de figurinhas, buscando identificar o que teremos de volta, conforme já citado, ainda sem informações oficiais e destacando alguns pontos curiosos.

Semana da Pátria em Porto Alegre, 1942

Imagem da década de 1940, calça comprida padronizada ao centro, demais de bermudas. Observe o uso de botas juntamente com o uniforme.

As excursões de Georg Black

 

Georg Black e demais chefes a frente, usando calças e botas. Data e local da foto desconhecidos. Para mais detalhes sobre esta foto, visite o post “As excursões de Georg Black”.

Bastão Totem, desfile em Triunfo, RS

Uniforme clássico de Lobinho, apelidado em alguns locais de “farda azul”. Este expressão também era usada pejorativamente ao escoteiro imaturo, como se ele ainda fosse um lobo. Foto de 1982, durante desfile comemorativo da Semana Farroupilha, em 20 de setembro.

Lobinhos com uniforme azul e chefia com uniforme social, primeira alcatéia do GE Chama Farroupilha 183 RS, em 1986, no dia da promessa.

Uniforme Social para chefes com boina, diferente dos jovens, com opção de gravata preta ao invés do lenço escoteiro, foto de outubro de 1982.

Fundação do GE Chama Farroupilha 183 RS

Idem anterior, foto de 1 de maio de 1986. Escoteiros, chefes e lobinhos com diferentes indumentárias, chefes na direita usando gravata ao invés de lenço escoteiro. A gravata deveria ter na porção média um pin com o emblema oficial da União dos Escoteiros do Brasil.

Jamboree Farroupilha, 1986

Uniforme Cáqui todo curto, com boina, padrão mais duradouro das vestimentas escoteiras brasileiras, sendo o Cáqui para o jovem; uniforme social com calça cinza chumbo padronizada e camisa azul mescla, precursor do traje, para o escotista ao centro. Observe os bastões escoteiros, que eram regulamentares e individuais nesta época. Foto de janeiro de 1986, durante o Jamboree Farroupilha, no Parque Osório em Tramandaí.

Tropa escoteira com uniforme cáqui padrão, foto anos 1980.

Entrega de Cordão Verde-Amarelo

Jovens e adultos com uniformes distintos, foto em 7 de setembro de 1986.

Na sede do GE Chama Farroupilha 183 RS

Uniforme cáqui usado por escotista, igual ao dos jovens, modelo atual.

Jamboree Farroupilha, 1986

Uniforme cáqui da modalidade básica, Escoteiro do Ar ao centro e Bandeirantes no lado direito, Jamboree Farroupilha, janeiro de 1986.

Desfile 20 de Setembro, Triunfo RS

 

Cáqui mangas longas e calças curtas com boina, foto de 1988.

Camisa e distintivos Retrô.

Camisa social com boina e penacho, foto atual mas com vestimenta dos anos 1980. Para ser completamente autêntico, a calça deveria ser cinza chumbo e não de brim azul.

Traje com calça sem cobertura, padrão atual.

Traje com bermuda, chapéu e meias cinzas escoteiras, jovem e escotista com vestimentas iguais.

Para concluir, quantas vestimentas escoteiras, incluindo as diferentes combinações de peças, você é capaz de contar na foto acima ?